Friday, May 04, 2007

"Sabão Azul e Branco" Um post sobre Luanda escrito em Luanda.







Um dos reflexos mais evidentes, e aquele sobre o qual posso opinar com conhecimento de causa, é a exponencial descaracterização das suas belas cidades.
Luanda, é o melhor exemplo do mal que a cegueira e a embriaguez que o enriquecimento fácil e sem regras provocam,traduzidos numa espécie de”vómito cultural” 3D…



Uma das características que distingue (distinguia) e torna (tornava) ímpar esta cidade era a sua grande homogeneidade e a generosidade do seu traçado (pensado para 750000 habitantes, hoje com mais de quatro milhões.

Primeiro, a guerra de 30 anos provocou um desgaste acelerado nas infra-estruturas e nas construções, que, ainda assim, resistiram no essencial e conservaram a sua dignidade.


A guerra levou a um êxodo do povo marterizado das regiões mais massacradas (Huambo, Bié, etc.) para a capital onde se instalaram e fizeram crescer anarquicamente bairros periféricos gigantescos (o maior Musseque ultrapassa 1 milhão de habitantes)sem as mais elementares condições de salubridade.
A estes refugiados juntaram-se também muitos outros com origem em países africanos diversos; Mali, Nigéria, Zaire, etc.
As consequências eram previsíveis e são de todos amplamente conhecidas; as infra-estruturas entraram em colapso. A energia eléctrica não chega, nem de perto, para as necessidades. Em qualquer lado e com a maior impunidade se rouba energia com habilidosas ligações directas.
Nas habitações da classe alta é familiar o gerador e o depósito de água.

Depois veio a tão desejada paz e o desaparecimento do Líder fundador da U.N.I.T.A. Jonas Malheiro Savimbi.
Criadas as condições mínimas de estabilidade, consolidados os Bancos e as facilidades de investimento, a economia angolana entrou numa espiral de desenvolvimento ímpar.
As grandes multinacionais e muitas pequenas e médias empresas portuguesas e estrangeiras encontram hoje, em Angola, a saída para a crise que os vem progressivamente estrangulando sobretudo na Europa.
“Angola está na moda”, ouve-se por todos os lados.
“Não há um angolano com “Kumbú” (dinheiro) que não ande com um projecto debaixo do braço” também é frequente ouvir.

No meio de tudo isto, o parque automóvel aumentou quase proporcionalmente ao crescimento populacional já referido. Os automóveis não cabem nas ruas e avenidas da cidade. As estradas mais parecem “picadas” tantos são os buracos e as “crateras” que se encontram.

O transito ultrapassa qualquer adjectivo mais contundente que “o caos”.
A rede de táxis populares, os emblemáticos “Kandongueiros” ascende aos 20.000 dos quais só aproximadamente 3.000 estão legalizados.





Com as inesperadas e violentas chuvas que assolaram o país nos últimos meses, a realidade e o dia-a-dia do povo tornaram-se ainda mais (como é possível?) insustentáveis.
Para as pessoas que vivem nos bairros e trabalham na cidade já não chega despertarem às cinco da manhã para chegar a horas aos seus locais de trabalho. Muitas optaram por passar a fazer a viagem a pé para salvaguardar os seus postos de trabalho.
Mas, poderão questionar, - o que é que todo este relambório tem que ver com a arquitectura?
Tudo!



A fúria empreendedora e a facilidade de obter sucesso, num mercado ávido e carente de tudo, levou rapidamente à construção sem regras de mastodontes erguidos a partir de projectos “prontos a consumir” importados do Brasil, da China, de Portugal, etc.



Edifícios “sem sítio” desenhados por arquitectos sem princípios, ética ou o mínimo conhecimento do contexto e do modo de vida angolano começam a poluir e a ferir para sempre o tecido delicado, feito de uma teia de engenhosas e criativas soluções de ensombramento e ventilação, com os seus projectos “modernos” de fachadas cortina e chapas de alumínio tipo “Alucobond”.



Os mais críticos e esclarecidos chamam a estes projectos o “Sabão azul e branco”.
É um sabão muito utilizado em Angola porque serve para tudo, em qualquer lugar e é barato.

Acontece que não estou a escrever sobre higiene corporal.
Revolto-me pela total ausência de escrúpulos de quem permite, compactua e enche os bolsos com este descalabro e pela falta de higiene intelectual” dos que participam neste pandemónio.

Gostava de ainda "cá andar" quando chegar a hora (porque vai chegar) de atribuir responsabilidades... Ah!, como eu gostava!

4 comments:

AM said...

Excelente posta.

Roma said...

Sí, excelente, y también las fotografías.

Kianda said...

Ke saudade!

Maria José said...

O contraste arquitectónico de Luanda parece evidente nas fotos "azul e branco". Como leiga na matéria, além da denúncia, gostava de saber algo de consistente, como arquitecto que é.
Obrigado
Mª José