Friday, June 29, 2012

Euro´2012 - 2ª Meia-Final : Alemanha 1 - 2 Itália... "Gramei"... à brava!

Obrigadinho ó Parôlo !



Passos: Medidas de austeridade serão comunicadas se forem necessárias

O primeiro-ministro garantiu que, caso venham a ser necessárias mais medidas de austeridade, elas serão comunicadas aos portugueses.

«O Governo renova o seu compromisso com essas metas e se entender que outras medidas poderão ser necessárias não deixará de as comunicar ao país, na medida em que está consciente de que a pior coisa que podia acontecer a Portugal era uma perda de credibilidade, associd a um processo de degradação das condições do nosso processo de ajustamento», afirmou Passos Coelho.

Volto Já...


Lost' 2012



"Haverá cão mais bonito do que eu?...
(Fotografia: Gonçalo Afonso Dias, 06/2012)

Thursday, June 28, 2012

EURO´ 2012 DESTA VEZ A MINHA INTUIÇÃO FALHOU...


Antes de mais, como português, estou orgulhoso do percurso da nossa selecção neste Euro disputado em terras ucranianas e polacas.

Orgulhoso porque aqueles jogadores e aquele seleccionador cumpriram aquilo que prometeram - lutar até ao fim com todas as forças, unidos e solidários, de igual para igual com qualquer equipa por muito favoritismo que tivesse.

E foi assim neste jogo das meias-finais contra a Espanha - campeã do mundo, campeã da Europa.

Lutámos 120 minutos Os 90' mais o 30 do prolongamento. Depois veio a "lotaria dos penaltis"... e aí caímos de pé, como muito bem disse Paulo Bento numa análise lúcida, realista e sem dramas.

Durante os 90´não fomos inferiores à Espanha e, se o jogo tivesse terminado com a vitória de Portugal não seria injusto. Anulámos o sistema de jogo espanhol defendemos exemplarmente e criámos oportunidades. Os jogadores são homens, repito, com qualidades e defeitos, com momentos de maior ânimo e outros onde o coração fala mais alto do que a cabeça. Somos, tal como os espanhóis, latinos - com tudo de bom e de menos bom que isso significa. O nosso sangue é temperado... Não é frio como o dos nórdicos nem tão quente como o dos sul-americanos.

Durante todo o jogo estive tranquilo e acreditei que, mais tarde ou mais cedo iríamos marcar. A Espanha acusava claramente a surpresa que a estratégia de Paulo Bento provocou. Falhava passes, não conseguia implementar o seu famoso sistema de jogo feito de passes e transições curtas, apoiado num domínio e numa posse de bola contínuos.

Quando chegou o prolongamento chegou com ele a minha inquietação e, sobretudo nos últimos 15' em que a Espanha foi claramente superior, a minha enorme angústia.

No fim desse prolongamento Portugal estava notoriamente por baixo e à espera das penalidades.

Nas penalidades caímos...

Agora que a selecção perdeu, vêm de novo as críticas; que Paulo Bento devia ter feito entrar Varela mais cedo, que Bruno Alves não devia ter marcado o penalti, que isto, que aquilo...

Mas a altura não é de críticas. É, muito pelo contrário, de orgulho, de celebração e de felicitar todos - técnicos, jogadores e anónimos empenhados que tornam possível a brilhante carreira de Portugal neste campeonato da Europa.

Por isso, estou tranquilo, temos selecção, reconquistámos o respeito das outras.


PARABÉNS PAULO BENTO !
OBRIGADO A TODOS OS JOGADORES !


O DIA SEGUINTE:




O jogo do afastamento de Portugal do Euro2012 (em imagens) - TSF




Euro´ 2012 - Ainda não foi desta... Snif...


Paulo Bento: «caímos com honra e orgulho»

Publicado ontem às 22:43

Paulo Bento disse no final do jogo, na SIC, que «não tivemos o mínimo de sorte», lembrando as diversas bolas nos ferros. Deu os parabéns à Espanha, sem deixar de dizer que «fizemos um campeonato da Europa extraordinário»


O selecionador nacional reconheceu que Portugal caiu no prolongamento e permitiu à Espanha algum domínio e algumas oportunidades de golo (pelo menos uma muito perigosa). Mas nos 90 minutos «penso que fizemos as coisas para poder estar na final».

«A Espanha foi mais feliz», disse Bento, para quem Portugal «caiu com honra e orgulho, como deve cair uma grande equipa».

Sobre o trajeto nacional, o selecionador lembrou que Portugal apenas perdeu o primeiro dos cinco jogos, com a Alemanha, seguiram-se três vitórias e agora esta derrota nas grandes penalidades.

Sobre se esta seleção conquistou Portugal, Bento foi muito cauteloso, dizendo apenas que acha que «os portugueses devem estar orgulhosos com o trajeto da equipa».

«Não tivemos sorte», concluiu.

Wednesday, June 27, 2012

Lo siento, pero es nuestro tiempo...


(Capa do Record)




MEIAS FINAIS DO EURO'2012

PORTUGAL X ESPANHA

Não sou o Polvo "adivinho" Paulo, primo de Paul, o famoso polvo alemão que brilhou no Mundial de 2010, na África do Sul.


(Fotografia retirada da net)


Não sou, tão pouco, um "intelectual da bola", como aqueles que engalanam os vários programas dedicados ao futebol, usando uma linguagem rebuscada e pretenciosa para explicar o inexplicável...

Contudo acredito na intuição. Entendo que não é abstracta, é informada pelos factos, pelo que vejo, pelo que ouço e, sobretudo pelo que sinto.

Desde que este campeonato começou a minha intuição tem sido certeira bem como algumas reflexões e opiniões que aqui postei nas devidas alturas.

Essa intuição diz-me, espero continuar a acertar..., que o jogo de hoje frente à teoricamente favorita Espanha, vai ser, para a nossa selecção, o mais fácil de todos aqueles que já fez na caminhada para a qualificação e nas distintas fases do Euro.

Euforia? Não. Convicção mesmo.

Prevejo um início de jogo cauteloso, de ambas as partes, mas prevejo também um golo de Portugal (talvez Nani) ainda antes do intervalo.

Assim seja.

FORÇA PORTUGAL!

Sunday, June 24, 2012

Todos diferentes, todos iguais /All different, all the same



(Fotografia: Gonçalo Afonso Dias, Ilha do Mussulo, Angola 12/2011)


(Texto inserido no site Olhares.com)


Esta fotografia é dedicada ao João Clemente que, na foto "Sem medos" (http://olhares.sapo.pt/sem-medos-foto5295723.html?nav1 ) desta série expressou uma dúvida muito pertinente sobre estas crianças: "criançada muito alegre, não sei se feliz..".
Sem entrar em reflexões filosóficas do que é a felicidade (uma utopia..., uma abstracção...) essa questão permite-me, neste resumo, dar-vos a conhecer um pouco mais do contexto social e humano em que estas crianças vivem, comparativamente com a maioria das crianças angolanas, uma reflexão baseada no meu profundo conhecimento da realidade Angola, e particularmente das suas crianças um pouco por todo o país, antes e depois da independência, antes, durante e depois da guerra civil que só teve fim em 2001.

O que distingue estas crianças, por ex dos meninos de Luanda?
Qual a razão da sua alegria?

São duas questões cuja resposta, precedida de uma breve contextualização, explica esta realidade.
Os meninos do Mussulo, que acompanho, fotografo e ajudo há mais de oito anos, vivem numa ilha. Apesar da proximidade à grande e densamente povoada Luanda (mais de cinco milhões de habitantes...) na sua grande maioria, não a conhecem. O seu mundo resume-se à ilha onde nasceram e onde continuam a crescer.

Longe do caos, das tentações, dos perigos com que vivem os meninos de Luanda e um pouco por todo o país, não lhes falta o essencial. Os pais, em grande parte ilhéus também, vivem do que o mar lhes dá - o peixe, o marisco.
As famílias no Mussulo mantêm uma estrutura ancestral. Aos mais velhos são respeitados e ouvidos, os mais novos são protegidos e bem alimentados.
A solidariedade existe na comunidade. A entreajuda, as relações entre famílias.
A grande ameaça para esta gente boa é a doença - a Malária, a cólera. Mas, hoje, com as campanhas de consciencialização e de prevenção que têm vindo a ser feitas por todo o país, esses flagelos perderam muito terreno.

O meninos do Mussulo vão à escola, vão ao posto médico e não sabem o que é pedir, o que é passar fome, o que é ver os pais mortos ou mutilados - já nasceram, na sua maioria, em Paz.
Não têm IPods, computadores, brinquedos sofisticados... Mas têm uma imensidão de praia, têm o mar... Constroem, a partir do lixo criativos e engenhosos brinquedos.
Como todas as crianças, como todas as pessoas, têm momentos de tristeza e momentos de alegria. Mas têm momentos de alegria! Muitos, mesmo.

É uma alegria que nasce com eles, que caracteriza, por outro lado, todo o povo angolano que, mesmo vivendo dificuldades para nós inimagináveis, consegue sorrir, cantar e dançar.

Tenho a honra, o gosto e o orgulho de ter proporcionado ao longo destes anos, alguns dos momentos de alegria destes meninos. Tenho-os visto crescer, têm-me visto crescer.

Dia 30 deste mês volto a Angola no âmbito das minhas actividades profissionais e comigo levarei a certeza de os encontrar bem. Levarei uma bola de futebol... Uma corda de saltar e os retratos que lhes fiz e que estão nesta série tão bem acolhida por todos vós - o que agradeço profundamente - por eles. Bem hajam!

Fotografia: Ilha do Mussulo, Angola, 11/2012
Na foto com os meninos do Mussulo - a nossa colega e minha mulher Suzana Alvarez que, pela expressão, revela bem a felicidade de os ter conhecido.


This photo is dedicated to João Clemente, that in the photo "Sem medos" (http://olhares.sapo.pt/sem-medos-foto5295723.html) off this series expressed a very relevant doubt about this children: "Very cheerful children, not sure if happy..".

Without going into philosophical thoughts about what's happiness (an abstraction...), this doubt allows me, in this description, to let you to know a little more of the social and human context in which these children live, compared with most of Angola's children, a reflection based on my profound knowledge of the Angolan reality, and particularly of it's children all over the country, before and after the independence, before, during and after the civil war that only saw an ending in 2001.

What distinguishes these children, for example, of the children of Luanda?

What's the reason of their joy?

These are two questions which question, preceded of a small contextualization, explains this reality.

The kids of Mussulo, that I follow, photograph and help for over 8 years, live in an island. Despite the proximity to the large and densely populated Luanda (more than five million people ...) the vast majority have never been there. Their world comes down to the island where they were born and continue to grow.

Away from the chaos, the temptations, the dangers the kids of Luanda live with, they are not lacking the essentials. Their parents, in most of the islands, live of what the sea gives them - the fish and the shellfish.

Families in Mussulo maintain an ancestral structure. Elders are respected and heard, the young are protected and well fed.

Solidarity exists in the community. The mutual support, the relations between families.

The big threat for this good people are the diseases - Malaria, cholera. But, today, with the big campaigns of awareness and prevention that have been made all over the country, these scourges have lost much ground.

The children of Mussulo go to school, go to the medical post and don't know what's begging, starving, seeing their parents dead or crippled - they were born, mostly, in Peace.

They don't have iPods, computers, sophisticated toys... But they have the beach, they have the sea... They build, from trash, creative and ingenious toys.

Like every children, like everybody, they have moments of sadness and moments of joy. But they have moments of joy! Many, really.

It's a joy that is born with them, that characterizes, on the other size, all the Angolan people that, even living difficulties that for us are unthinkable, can smile, sing and dance.

I have the honor, love and pride to have provided over the years, some of the moments of joy of these kids. I have seen them grow, they have seen me grow.

30th of this month I go back to Angola as part of my professional activities and will bring with me the certainty of finding them well. I will take a football ... A jumping rope and pictures that I have taken from them in this series and are so well received by all of you - which I deeply thank - for them. Thank you!

Translation: Tiago Afonso Dias

Seleção afina pontaria para Espanha



Depois do treino de sábado ter ficado marcado por um desentendimento entre Ricardo Quaresma e Miguel Lopes - sanado pouco depois -, a Seleção Nacional regressou este domingo ao trabalho para preparar o jogo das meias finais do Euro'2012, frente à Espanha, agendado para quarta-feira (19 e 45).

A equipa das quinas só ficou a conhecer o adversário ontem à noite, pelo que a partir de hoje Paulo Bento poderá focar a sua estratégia em trabalhar com os 22 jogadores (Hélder Postiga, como informámos no sábado, já não voltará a competir no Europeu devido a uma lesão).

No início do treino, o selecionador Paulo Bento juntou os "eleitos" para uma palestra no centro do campo de treinos da unidade hoteleira do "quartel-general" português, em Opalenica, após a qual os guarda-redes iniciaram trabalho específico, enquanto os 18 jogadores de campo disponíveis realizaram exercícios de aquecimento e alongamentos.

Ainda durante os 15 minutos da sessão abertos à comunicação social, foi possível perceber que os jogadores que alinharam de início na quinta-feira frente à República Checa, no jogo dos quartos de final, prosseguiriam o treino a praticar futvólei.

Após o treino, João Pereira participará na conferência de imprensa e Henrique Jones, Humberto Coelho e Carlos Godinho irão rumar ao hospital para visitar Eusébio


Ontem vi o jogo dos Quartos de final entre a Espanha e a França.
Curiosamente vi-o na agradável companhia de um casal amigo espanhol - de Ciudad Rodrigo.
O meu amigo Alfonso não é dado a grande manifestações de ansiedade ou alegria. Assistiu ao jogo com uma tranquilidade olímpica e só falava para me dar umas dicas sobre este ou aquele jogador das sua equipa.
Eu torci pela Espanha não só por solidariedade com o meu amigo mas sobretudo por detestar a arrogância e o pedantismo de grande parte dos franceses, com o seu expoente máximo na asneirada no ilustre Michel Platini...
No fim estavamos de acordo. A Espanha mereceu ganhar mas ambas as equipas jogaram muito pouco...
A França não jogou.
Por isso provoquei o Alfonso... "se a Espanha jogar contra Portugal como jogou hoje e se Portugal jogar contra a Espanha como o fez nos últimos dois jogos vocês vão para casa...
Contudo há dois "ses"...
Por um lado, não acredito que a Espanha repita o jogo empastelado, perdulário e fragmentado.
Por outro dificilmente Portugal terá as "abébias" que teve com a República Checa que abriu autênticas autoestradas aos médios e avançados portugueses.
O que desejo é que estejam as duas selecções ao seu melhor nível na próxima quarta-feira e, claro, que Portugal ganhe. Assim vai saber muito melhor. (GAD)

Voluntária para Missões Humanitárias em Angola procura integração



Se alguma utilidade a fotografia tem, ela é com certeza, quanto a mim, a de provocar emoções, sentimentos e, tantas vezes "fazer pensar".

A série de fotografias dedicada às crianças do Mussulo, que aqui publiquei e que tenho vindo periodicamente a actualizar teve esse retorno pelo menos numa pessoa, o que, para mim, é muito.


Nesse sentido, passo a transcrever uma mensagem que recebi e muito me tocou vinda de uma companheira da comunidade de fotógrafos "Olhares.com" que, encontrando-se numa situação infelizmente quase generalizada entre os portugueses - o desemprego - o "não se sentir útil", se sentiu motivada, segundo refere, ao ver essa série de fotografias das crianças da Ilha do Mussulo, a participar como voluntária numa missão humanitária em Angola.


Este blogue chega a Angola e é visto por muitos angolanos, como eu, que poderão eventualmente conhecer uma dessas missões onde esta senhora, de um notável altruísmo, possa dar o sentido que deseja para a sua vida, ajudando solidariamente e voluntariamente quem mais precisa.

(GAD)


................................


Mensagem - 23 de Junho de 2012

" Peço desde já desculpa pela minha intromissão ao estar a enviar-lhe uma mensagem apenas com base num conhecimento superficial proporcionado por este site.

Eu sempre tive o sonho de ser voluntária; há cerca de 15 anos atrás era voluntária na Cruz Vermelha e estava a tentar fazer voluntariado no estrangeiro. Entretanto engravidei e as minhas prioridades passaram a ser outras.
Esse sonho nunca me abandonou e ao ver estas imagens voltou com uma força imensa.

Encontro-me desempregada e, francamente, o capitalismo desenfreado não me diz nada. Tenho ainda situações a resolver aqui, até porque estou em litígio com a empresa pois fui "dispensada" com justa causa minha porque fiquei doente.

Sendo conhecedor da realidade desse local, sabe informar-me se haverá possibilidades de eu ingressar em missões humanitárias?

Desde já grata pela sua atenção

Olinda Coutinho

Contacto: olindacoutinho@hotmail.com


Nota: tanto a mensagem como o contacto fornecido foram publicados com o consentimento expresso da pessoa em causa.

Fotografia: Série "meninos do Mussulo" - actualizada



Fotografia: Gonçalo Afonso Dias, Ilha do Mussulo, Angola, 12/2011

SÉRIE "MENINOS DO MUSSULO" - Última actualização: 2012-06-24

Saturday, June 23, 2012

Bom Domingo!



Fotografia: Gonçalo Afonso Dias, Oeiras, 2012

Todos diferentes, todos iguais.





(Fotografia: Gonçalo Afonso Dias, Ilha do Mussulo, Angola, 12/2011)


(Texto no Olhares.com) :

Esta fotografia é dedicada ao João Clemente que, na foto "Sem medos" (http://olhares.sapo.pt/sem-medos-foto5295723.html?nav1 ) desta série expressou uma dúvida muito pertinente sobre estas crianças: "criançada muito alegre, não sei se feliz..".

Sem entrar em reflexões filosóficas do que é a felicidade (uma utopia..., uma abstracção...) essa questão permite-me, neste resumo, dar-vos a conhecer um pouco mais do contexto social e humano em que estas crianças vivem, comparativamente com a maioria das crianças angolanas, uma reflexão baseada no meu profundo conhecimento da realidade Angola, e particularmente das suas crianças um pouco por todo o país, antes e depois da independência, antes, durante e depois da guerra civil que só teve fim em 2001.


O que distingue estas crianças, por ex dos meninos de Luanda?
Qual a razão da sua alegria?

São duas questões cuja resposta, precedida de uma breve contextualização, explica esta realidade.
Os meninos do Mussulo, que acompanho, fotografo e ajudo há mais de oito anos, vivem numa ilha. Apesar da proximidade à grande e densamente povoada Luanda (mais de cinco milhões de habitantes...) na sua grande maioria, não a conhecem. O seu mundo resume-se à ilha onde nasceram e onde continuam a crescer.

Longe do caos, das tentações, dos perigos com que vivem os meninos de Luanda e um pouco por todo o país, não lhes falta o essencial. Os pais, em grande parte ilhéus também, vivem do que o mar lhes dá - o peixe, o marisco.

As famílias no Mussulo mantêm uma estrutura ancestral. Aos mais velhos são respeitados e ouvidos, os mais novos são protegidos e bem alimentados.

A solidariedade existe na comunidade. A entreajuda, as relações entre famílias.

A grande ameaça para esta gente boa é a doença - a Malária, a cólera. Mas, hoje, com as campanhas de consciencialização e de prevenção que têm vindo a ser feitas por todo o país, esses flagelos perderam muito terreno.
O meninos do Mussulo vão à escola, vão ao posto médico e não sabem o que é pedir, o que é passar fome, o que é ver os pais mortos ou mutilados - já nasceram, na sua maioria, em Paz.
Não têm IPods, computadores, brinquedos sofisticados... Mas têm uma imensidão de praia, têm o mar... Constroem, a partir do lixo criativos e engenhosos brinquedos.

Como todas as crianças, como todas as pessoas, têm momentos de tristeza e momentos de alegria. Mas têm momentos de alegria! Muitos, mesmo.
É uma alegria que nasce com eles, que caracteriza, por outro lado, todo o povo angolano que, mesmo vivendo dificuldades para nós inimagináveis, consegue sorrir, cantar e dançar.
Tenho a honra, o gosto e o orgulho de ter proporcionado ao longo destes anos, alguns dos momentos de alegria destes meninos. Tenho-os visto crescer, têm-me visto crescer.

Dia 30 deste mês volto a Angola no âmbito das minhas actividades profissionais e comigo levarei a certeza de os encontrar bem. Levarei uma bola de futebol... Uma corda de saltar e os retratos que lhes fiz e que estão nesta série tão bem acolhida por todos vós - o que agradeço profundamente - por eles. Bem hajam!

Friday, June 22, 2012

Thursday, June 21, 2012

Portugal nas meias finais do Euro 2012 !

RONAAAAAAAAAAALDO !
DUAS AO FERRO E UMA LÁ DENTRO!


PARABÉNS SELECÇÃO!
PARABÉNS RONALDO!
PARABÉNS PAULO BENTO!
...................



RONALDO FAZ "CHECO-MATE" ATÉ ÀS MEIAS (SAPO)


CR7 volta a ser decisivo marcando o golo que leva Portugal até às meias-finais do Euro2012. Depois do Euro2004, Portugal volta a uma meia-final. 


Portugal venceu, esta quinta-feira, a República Checa por 0-1, em jogo dos quartos de final do Euro2012, disputado no Estádio Nacional de Varsóvia, na Polónia. Cristiano Ronaldo marcou, aos 79 minutos, o golo que leva Portugal até às meias-finais.

A meia-final está agendada para 27 de junho, em Donetsk, na Ucrânia, e Portugal fica à espera do vencedor do encontro entre Espanha e França, que se realiza este sábado.

..................................


EL PAÍS:






FRANCE FOOTBALL:



(FranceFootball)

SPORT BILD:

(Sport Bild)

"O DIA SEGUINTE..."
ACTUALIZAÇÃO: 2012-06-22




Smile




(Fotografia: Gonçalo Afonso Dias, 11/2012)


Animals

EURO´2012 - O PELOTÃO CHECO





Os 23 checos, imagem a imagem (TSF)

De Petr Cech a Rosincky, passando por Jiracek ou por Baros, são os 23 jogadores escolhidos pelo selecionador Bilic. E é com eles que Portugal tem de jogar logo, para conquistar um lugar nas meias finais.

EURO´2012 - QUARTOS DE FINAL - É HOJE PORTUGAL!

Portugal chegou aos quartos de final do Euro' 2012 numa caminhada marcada por altos e baixos, por momentos de desânimo e outros de euforia, por criticas fora do tempo e também por euforias "perigosas".
A República Checa, adversário que hoje a nossa selecção enfrenta no primeiro jogo "a eliminar" fez, na fase de Grupos um percurso semelhante ao dos portugueses - em crescendo, depois de uma primeira derrota humilhante (1-4) frente à Russia.
Nesta fase vale tudo, e tudo, dentro de certos limites, é compreensível. Joga-se muito fora do campo... As declarações dos técnicos e/ou dos jogadores têm agora mensagens subliminares com intenções óbvias de "sacudir a pressão para o adversário" ou criar-lhe uma falsa ilusão de favoritismo.
Como disse antes, é compreensível e faz parte das estratégias de cada selecção.
A República Checa tem-no feito muito bem. Parece viver do passado - o "chapéu" de Poborsky que afastou Portugal no Euro'96, por exº... mas está obviamente, com isso a preparar o futuro...
Paulo Bento "não nasceu ontem"... sabe perfeitamente lidar com essas manobras e soube, concerteza, nestes últimos dias, preparar psicologicamente a sua equipa para desvalorizar esses "livres" virtuais e fazer com que esta entre em campo com tudo.

Mais uma vez aqui deixo o meu apoio incondicional a esta Selecção, acreditando profundamente que hoje vou sofrer mas, no fim vou celebrar!

FORÇA PORTUGAL !
VAMOS JUNTAR MAIS DOIS A ESTES...;

Relvas visto por Henrique Monteiro...


(Click para ampliar)

Namoro



 Lobito e Clarinha "In love"

(Fotografia: Gonçalo Afonso Dias, 06/2012)

Dolce Vita



(Fotografia: Gonçalo Afonso Dias, 06/2012)

Fotografar animais, sobretudo os nossos, tem o que se lhe diga...
Na minha opinião não se decide "só" fotografá-los. A fotografia de um animal, para transmitir aquilo que ele realmente é, acontece, no meu caso, quando me apercebo de um momento particular - ou pela luz, ou pela pose, ou por ambos. Funciona ao contrário - com a máquina sempre por perto (e neste tema as compactas, com LCD móvel) são ideais. Não intimidam o retratado e permitem ângulos e pontos de vista invulgares. Espero que gostem do Lobito (nome da minha cidade de infância em Angola, também muito conhecida pela "Veneza de África". O Lobito, um gato fantástico, com um carácter e uma pose "monárquicos" dá-se bem com os outros cá de casa mas marca, sem cerimónias, as distâncias. Tem o estatuto de ser o mais velho. Tolera os outros, enfim...

Crise faz Portugal perder 300 milionários em 2011 e...Por outro lado...


Crise faz Portugal perder 300 milionários em 2011

Alexandra Brito
20/06/12 00:05

Estudo “World Wealth Report 2012” da Capgemini revela que a crise também afecta o património dos mais ricos.

No ano em que Portugal teve de ser resgatado pelas autoridades internacionais, o País perdeu 300 milionários. Um dado que representa uma quebra de 2,8% face ao número de portugueses com património mais elevado registado em 2010: na altura eram 10.700.

Os números fazem parte do estudo anual elaborado pela Capgemini, intitulado "World Wealth Report 2012". Para este estudo são tidos em conta os indivíduos com um património disponível para investir acima de um milhão de dólares. Todos os outros activos: como casas, carros, jóias ou obras de arte não são contabilizados. Além de acompanhar a evolução do número de milionários a nível mundial, o estudo monitoriza também a evolução do seu património e as classes de activos preferidas dos milionários para investir.

Os números da última edição do estudo, ontem divulgado, mostram como nem mesmo os mais ricos conseguiram fintar os efeitos da crise. Em Portugal, o número de milionários recuou 2,8% para os 10.400. A queda dos preços do imobiliários - no valor de 7,8% no ano passado-, a redução da capitalização bolsista do PSI 20 e a contracção do PIB foram os factores que, segundo a Capgemini, mais contribuíram para a inibição da riqueza em Portugal.


.................................




(Desenho: Gonçalo Afonso Dias)
(GAD)
Por outro lado...
Esta notícia da redução significativa de milionários em Portugal, num contexto de crise económica e de austeridade cega tem com certeza da parte da maioria dos portugueses uma reacção primária mas compreensível: "tadinhos!...a pena que eu tenho deles..." ou coisas parecidas.
Analisando a notícia noutra óptica, abdicando dessa retórica vagamente marxista, a notícia é, de facto má.
Afinal, se pensarmos bem, quem cria emprego e gera riqueza em qualquer economia? Os pobres e/ou os remediados? A resposta é, claro, - Não!
Nesse sentido, o desabafo que me ocorre, é qualquer coisa do género: "até já toca aos ricos..."
Não é preciso ser rico para chegar a essa conclusão. Numa altura em que o acelerado empobrecimento da classe média portuguesa tem tido como consequência o aumento do desemprego para valores nunca vistos por cá, numa altura em que todos nós sofremos, de alguma maneira, as consequências da política liberal deste governo, numa altura em que poucos haverá que não têm ninguém da sua família ou das suas relações no desemprego ou a "fazer as malas", todas as notícias são tendencialmente más. Até essa.

Wednesday, June 20, 2012

FOTOGRAFIA - "STREET PHOTOGRAPHY"



01 (Santa Clara-A-Velha, Portugal, 2007)



02 (Oeiras,Portugal, 2009)



03 (Oeiras,Portugal, 2009)



04 (Viseu,Portugal, 2009)



05 (Nazaré,Portugal, 2004)



06 (Braga,Portugal, 2005)



07 (Oeiras,Portugal, 2012)



08 (Portimão,Portugal, 2008)



09 (Oeiras,Portugal, 2009)



10 (Faro,Portugal, 2005)



11 (Salamanca, Espanha, 2010)




12 (Oeiras,Portugal, 2009)



13 (Luanda, Angola, 2008)



14 (Ondjiva, Angola, 2007)



15 (Torrão, Alentejo, Portugal, 2005)



16 (Ervidel, Alentejo, Portugal, 2007)



17 (Ervidel, Alentejo, Portugal, 2007)



18 (Evoramonte, Alentejo, Portugal, 2007)




19 (Faro, Algarve, Portugal, 2007)



20 (Lisboa, Portugal, 2010)



21 (Salamanca, Espanha, 2010)




22 (Salamanca, Espanha, 2010)



23 (Salamanca, Espanha, 2010)



24 (Zamora, Espanha, 2010)



25 (Lamêgo, Portugal, 2009)



26 (Ávila, Espanha, 2010)



27 (Ávila, Espanha, 2010)



28 (Ávila, Espanha, 2010)



29 (Ávila, Espanha, 2010)



30 (La Alberca, Espanha, 2010)



31 (Porto, Portugal, 2011)



33 (Ciudad Rodrigo, Espanha, 2009)



34 (Gaia, Portugal, 2011)



35 (Porto, Portugal, 2011)



36 (Oeiras, Portugal, 2011)



37 (Oeiras, Portugal, 2011)



38 (Porto, Portugal, 2011)



39 (Salamanca, Espanha, 2010)



40 (Salamanca, Espanha, 2010)



41 (Salamanca, Espanha, 2010)



42 (Salamanca, Espanha, 2010)



43 (Salamanca, Espanha, 2010)



44 (Zamora, Espanha, 2010)



45 (Zamora, Espanha, 2010)



46 (Ávila, Espanha, 2010)



47 (Salamanca, Espanha, 2010)



48 (Salamanca, Espanha, 2010)



49 (Salamanca, Espanha, 2010)



50 (Salamanca, Espanha, 2010)



51 (Zamora, Espanha, 2010)



52 (Zamora, Espanha, 2010)



53 (Zamora, Espanha, 2010)



54 (Plascência, Espanha, 2010)



55 (Salamanca, Espanha, 2010)



56 (Salamanca, Espanha, 2010)



57 (Salamanca, Espanha, 2010)



58 (La Alberca, Espanha, 2010)


57 (Oeiras, Portugal, 2010)



58 (Oeiras Portugal, 2010)



59 (Porto, Portugal, 2010)



60 (Porto, Portugal, 2010)



61 (Porto, Portugal, 2010)




62 (Porto, Portugal, 2010)



63 (Oeiras, Portugal, 2010)



64 (Lisboa, Portugal, 2010)



65 (Lisboa, Portugal, 2010)



(Lisboa, Portugal, 2010)



67 (Oeiras, Portugal, 2010)



68 (Oeiras, Portugal, 2010)



69 (Salamanca, Espanha, 2001)



70 (Carrasqueira, Portugal, 2008)



71 (Oeiras, Portugal, 2007)



72 (Oeiras, Portugal, 2010)



73 (Oeiras, Portugal, 2010)



74 (Ciudad Rodrigo, Espanha, 2009)



75 (Porto, Portugal, 2010)



76 (Porto, Portugal, 2010)



77 (Porto, Portugal, 2010)



77 (Porto, Portugal, 2010)



78 (Oeiras, Portugal, 2010)



79 (Paço de Arcos, Portugal, 2008)



80 (Porto, Portugal, 2009)



81 (Porto, Portugal, 2009)



82 (Oeiras, Portugal, 2009)



83 (Oeiras, Portugal, 2009)



84 (Oeiras, Portugal, 2009)



85 (Mérida, Espanha, 2008)



86 (Barcelona, Espanha, 2008)



87 (Évora, Portugal, 2008)



88 (Estremoz, Portugal, 2010)



89 (Evoramonte, Portugal, 2010)



90 (Ciudad Rodrigo, Espanha, 2009)



91 (Ciudad Rodrigo, Espanha, 2009)



92 (Viseu, Portugal, 2009)



93 (Ciudad Rodrigo, Espanha, 2009)



94 (Viseu, Portugal, 2009)



95 (Viseu, Portugal, 2009)



96 (Évora, Portugal, 2007)



97 (Alcácer do Sal, Portugal, 2007)



98 (Porto, Portugal, 2005)



99 (Grândola, Portugal, 2007)



100 (S. Pedro do Estoril, Portugal, 2007)



102 (Oeiras, Portugal, 2009)



103 (Oeiras, Portugal, 2007)



104 (S. Pedro do Estoril, Portugal, 2004)



105 (Lisboa, Portugal, 2010)

Fotografias: Gonçalo Afonso Dias

É expressamente proibida cópia, reprodução parcial ou integral manipulação ou qualquer forma de extracção de informações sem prévia autorização do autores conforme legislação vigente.

 It is expressly forbidden the copy, full or partial reproduction, manipulation or any form of extraction of information without permission of the authors according to current law.